Explore o mundo
Copa Gringos

Copa Gringos

Playball Pompeia

  • Autor: O Mundo Cabe em SP
  • Data da Publicação: sexta-feira, 06 junho 2014. 06:30
  • Categoria:
  • Endereço: Rua Nicholas Boer, 66 - Pompéia
0 Shares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Shares ×

Album

No domingo dia 25 a equipe do Mundo Cabe em São Paulo se embaralhou com tantas linhas de ônibus quanto pôde até que encontrou seu caminho – facílimo quando se sabe o que está fazendo – ao Playball Pompéia – espaço de aluguel de quadras onde está em curso a primeira edição da Copa Gringos, uma mini copa do mundo formada por equipes de imigrantes residentes em São Paulo, com finais previstas para o domingo que vem, dia 08/06, no Parque da Aclimação.

O mundial acontece assim, sem muito espalhafato, no seio de um labirinto de grades azuis e gramados de plástico, onde times de escolinhas e amadores em geral praticam seus passes, dribles e corridas. Mas o campo adornado com bandeiras do México e do Peru – aiai, isso é diferente: a seriedade no jogo só se supera pelo bom humor, perdendo ou ganhando essas seleções estão em clima de festa!

Não é todo dia que se pode representar o país, falar na própria língua e comemorar o futebol em ano copa – mas a taça da FIFA é pensamento dos mais distantes para esses jogadores e torcedores que se articularam em prol da confraternização, valor em que o futebol amador ganha de 10 a 0 do megaevento, combinando empresários e funcionários de multinacionais e consulados, estudantes intercambistas, trabalhadores da feira do Brás e operários, europeus, latino-americanos, asiáticos, africanos, e no meio, uns brasileiros, que tem a São Paulo por chão que pisam, lar comum desses imigrantes que cá já vivem há 3 meses, 7, 10 ou 30 anos.

IMG_9168

A Copa Gringos, idealizada pelo francês Stephan Darmani, especialista em futebol junto à produtora La Vista, conta com 24 seleções de nacionalidades distintas – com direito ao time Esperanto multinacional para quem quis jogar mas não pode reunir representantes suficientes de sua pátria. Foi feita uma comunicação aos consulados convidando a organização de times, mas a partir daí o fator humano é o que conta, desde amigos com times que jogam juntos há anos, até times novos em folha que se conheceram em campo.

O momento de organização já traz consigo novas conexões e desafios de se configurar enquanto equipe: além da vontade e envolvimento, os times precisaram pagar uma taxa de inscrição de cerca de R$3.000,00. Esse processo, então, não deixa de ser reflexo da própria experiência de integração do imigrante em São Paulo, que tem seu devido caminho das pedras: conhecer novas pessoas, associar-se aqueles que são de sua pátria tendo esse por único laço comum, manter suas origens e estabelecer uma situação de vida digna. Para tanto, conta com comunidades culturais próprias de sua nação a seu dispor enquanto participa da multiplicidade daí advinda.

Enquanto muitos times se apresentam para seus respectivos jogos e logo desaparecem terminada a comemoração ou lamentação, dependendo do resultado, pode-se observar uma facilidade de vivência das comunidades com maior número de imigrantes e organizações culturais próprias, o que é dizer, a América Latina faz a festa em terras brasileiras, e também no gramado – espelhando a copa de 2010, os times sul-americanos foram maioria em prosseguir para as quartas de final.

IMG_9067

No dia que passamos por lá, vimos a Itália muito escrachada consigo própria, Camarões e Nigéria brigando e jogando feito velhos amigos, uma China (o time com os jogadores mais novos da competição, ainda adolescentes) dedicada treinando antes da partida e irritada com a perda, um Chile tranquilo acompanhando todos os jogos e uma Bolívia vitoriosa sobre o Paraguai – partida mais antecipada, em que o time boliviano fez jus à seu favoritismo no torneio. Não é para menos, já que a comunidade boliviana (que dobrou o número de torcedores com seu time em campo) conta com um torneio próprio de 42 times, cujo campeão foi enviado para representá-la.

Fica nosso panorama dessa primeira edição da Copa Gringos, e para quem animou com essa idéia e não aguenta esperar até domingo para ver ao vivo as finais entre Peru e Chile e Camarões e Bolívia no Parque da Aclimação, fica uma recomendação de leitura: o acompanhamento da primeira rodada pelo blogueiro Rodrigo Borges Delfim.

Para mais informações, acesse o site da Copa Gringos

Resposta

Ou

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Shares ×